Uma boa opção para quem quer estudar na Oceania é a Nova Zelândia. A capital Wellington é a sede política e cultural do país, com cerca de 400 mil habitantes. Conhecida como a menor e a mais isolada capital do mundo, a cidade rodeada por montanhas e construída sobre uma baía possui paisagens privilegiadas.

Imagem

Para já se familiarizar com a história e cultura do país, o Museu da Nova Zelândia (Te Papa Museum) é o lugar ideal. Com entrada gratuita, você terá acesso a quatro andares bem interativos com histórias da formação do país, da fauna e flora, das tradições do povo Maori e também com uma área dedicada aos terremotos que já atingiram a cidade. É possível passar um dia inteiro aqui facilmente, e ainda dá para aproveitar o fim do dia na orla da baía.

Aprofundando ainda mais na história local, o Museu da Cidade de Wellington é considerado um dos 50 melhores museus do mundo. Apesar de pequeno, ele tem muito a oferecer com monitores, áudios e vídeos. Há breves apresentações do que foi mais importante ano a ano na cidade desde 1900. E o melhor: não paga para entrar.

Imagem

Os amantes da natureza vão ter muito o que explorar na “Zealandia”. É um grande santuário localizado apenas a 10 minutos do centro. O projeto de restauração e preservação natural abriga diversas espécies raras de aves, répteis e insetos. Muitos só são encontrados na Nova Zelândia e outros já são considerados em risco de extinção. Por $6 você tem acesso a exposições e áreas fechadas com alguns animais, bom para os dias de chuva. Já por $14 o acesso ao santuário todo é livre.

No Mount Victoria é possível ter a melhor vista da cidade – é bom estar preparado para as dezenas de fotos panorâmicas. Pelo monte há diversas trilhas ótimas para caminhar ou pedalar. A região já serviu como cenário para o filme “Senhor dos Anéis”. Wellington, que já é conhecida como a cidade dos ventos, tem essa ideia reforçada no Mount Victoria. Por conta da altitude, ventos bem fortes são comuns no local (levar blusa de frio).

Imagem

O Jardim Botânico de Wellington tem um diferencial entre os jardins botânicos pelo mundo. Ao contrário da maioria, ele não fica em um terreno plano.  O jardim tem uma grande variedade de plantas e é o lugar excelente para relaxar ou ler um livro. Para chegar é recomendado pegar o cable car que sobe um morro e dá acesso ao jardim. A entrada é gratuita.

Para os dias ensolarados, o lugar ideal para ir é a Oriental Bay. A praia é bem frequentada por ser próxima do centro e caminhar em torno da baía é comum nos fins de semana. Há sorveterias, cafeterias e lojas por toda a orla. Outro lugar para dar uma volta é a Cuba Street, rua comercial com diversas atrações entre artistas de rua, restaurantes e brechós para todos os estilos.

Nos momentos de estudo, a Biblioteca Nacional é a parada certa. Além dos milhares títulos à disposição e confortáveis salas de leitura, há exposições de arte e história. A cafeteria serve deliciosos aperitivos a preços modestos.

A vida noturna em Wellington é animada. Os lugares mais procurados são bares com música ao vivo, outros com pista de dança e DJs. É na região de Courtenay Place onde tudo se concentra.

Imagem

Por ser uma cidade pequena, o transporte público funciona bem só com ônibus que circulam pela maioria dos bairros. A bicicleta é considerada um veículo e é permitida sua circulação nas ruas, sendo o uso de capacete obrigatório sujeito à multa. Os trens são utilizados para ir até cidades próximas, como Auckland.

Se o seu sonho é estudar no exterior e conhecer culturas diferentes, venha conhecer a Agência Mundi, o lugar certo para realizá-lo.  Com excelentes escolas de línguas em diversos países, você descobrirá as melhores opções de intercâmbio e os programas mais em conta. Entre em contato e veja como estudar na Nova Zelândia é mais fácil do que você imagina.

Imagem

Tag: , , , , , ,

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *