Eu comecei a viajar muito nova por conta do ballet e já tinha, inclusive, feito dois intercâmbios culturais. Mas a ideia de viajar para estudar inglês surgiu quando eu estava me formando em jornalismo e me deparei com a necessidade de fluência no idioma. Eu comecei a pesquisar por cursos de inglês no Brasil, mas acabei descobrindo que iria valer muito mais a pena (financeiramente e como experiência) se eu fosse estudar fora. Foi aí que eu encontrei a Agência Mundi! Isso mesmo, eu fui (e ainda sou) literalmente uma exploradora Mundi! E posso dizer que foi a melhor escolha que fiz, pois nunca me faltou suporte em nada.

10245577_10202383586850597_2177718275770287846_n

Eu fui para Dublin, uma cidade na Irlanda, com a cara e a coragem, pois não sabia muito sobre o destino. Confesso que o país e a cultura local foram me ganhando aos poucos e quando eu vi, já era completamente apaixonada por aquele lugar. Tanto que a minha estadia, que seria de 6 meses, acabou virando de 2 anos. Hoje eu sempre digo que a parte mais difícil dessa experiência é conseguir ir embora.

Lá eu aprendi o inglês (claro) e também um pouco de outros idiomas, já que convivemos com gente de todas as nacionalidades. Mas, acima de tudo, eu aprendi a viver e a conviver. O fato é que fui para aprender uma coisa e aprendi tantas outras mais… Hoje eu posso dizer que voltei uma pessoa completamente diferente daquela que fui; ouso dizer até que me tornei um ser humano melhor. A gente começa a entender e a respeitar todas as outras culturas, percebe que preconceito não vale a pena e que cada um é especial exatamente da maneira que é. Seja em um sotaque, culinária ou até mesmo pela maneira de organizar uma casa. Nós somos diferentes e isso não é um problema, pelo contrário, isso nos torna interessantemente únicos!

dbsss (1)

Além da fluência no inglês, o que me abriu muitas portas quando voltei ao Brasil, eu ganhei uma família Irlandesa que me acolheu e auxiliou muito nessa jornada, muitos amigos de todos os cantos do mundo, que eu mantenho contato até hoje e 12 carimbos a mais no meu passaporte. Como os países da Europa são bem perto um do outro e a facilidade para viajar é grande, eu pude praticar essa paixão com mais frequência e viajar muito. Hoje a minha maior alegria é ajudar a proporcionar outras pessoas a viverem a mesma experiência que eu vivi e que sem dúvidas, é única.

3 Comentários

Deixe uma resposta para Aurea Paes Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *